1 de mai de 2015

"Trabalhadores e desempregados do mundo inteiro, uni-vos"

1º de maio: quebrando correntes
Com uma agenda de mobilizações em capitais de todo o país e no ABC paulista, e o slogan “Mais que comemoração, um dia de luta”, a Central Única dos Trabalhadores (CUT) informa que ocupará as ruas do Brasil neste 1º de Maio em busca de mais direitos e conquistas para a classe trabalhadora.
A manifestação tem o apoio de 25 instituições vinculadas a movimentos sociais de trabalhadores, mulheres, agricultores, negros, estudantes, professores, sem-terras e sem-moradia, entre outros segmentos.
“As principais bandeiras que marcam o Dia do Trabalhador e da Trabalhadora de 2015 são a defesa dos direitos da classe, da democracia, da Petrobras e da reforma política – pelo fim do financiamento empresarial de campanhas eleitorais”, informa a central em nota.
No principal evento da agenda, marcado para a cidade de São Paulo, o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva ressurge não como político, mas no melhor estilo do líder trabalhador que mobilizou o país com a bandeira da ampliação dos direitos trabalhistas e da liberdade de manifestação por um país melhor.
Com essa bandeira, Lula conquistou o país, virou presidente e elevou quase 40 milhões de pessoas, até então excluídos, a condições mais dignas de sobrevivência, com emprego, renda e acesso ilimitado a bens e serviços nunca atingidos em 500 anos de história.
Para reforçar o caráter predominantemente voltado às reivindicações por manutenção dos direitos e condições de trabalho, as siglas partidárias ganharam citação apenas discreta no material de divulgação e convocação às manifestações. Esse material foi distribuído pela CUT nesses dias que antecederam a data comemorativa internacional.
“1º de Maio é um dia de luta por ampliação de direitos da classe trabalhadora e de reflexão sobre os direitos conquistados por trabalhadores de todo o mundo”, justifica nota veiculada no portal da CUT na internet.
Partidos como PT, Psol e PCdoB também engrossam a rede de instituições que apoiam os eventos nacionais do dia, mas as centrais que lideram os eventos – CUT, CMP e CTB – fizeram questão de lançar sobre o trabalhador o crédito de principal protagonista do evento.
Terceirização – Três marchas de protesto contra o projeto de lei que terceiriza a mão-de-obra (PL 4330) pretendem invocar a atenção da população contra o pior dos riscos enfrentado pelas categorias profissionais: o de perder direitos conquistados em sessenta anos de história, desde Getúlio Vargas até o início deste século.
A partir das 9h desta sexta-feira, as manifestações vão ter início em diferentes pontos da cidade. Na Luz, vão se encontrar os trabalhadores da CUT, MST, PT, MTST; na Praça da República/Largo do Arouche, se reunirão a CTB, PCdoB, CMP e o PCO; e, no Pátio do Colégio, bancários, FAF e químicos de São Paulo
Com três frentes distintas de marcha, as concentrações seguirão até o Vale do Anhangabaú, no centro de São Paulo. É lá que a programação do dia de luta terá início, segundo informe da CUT. Será aberta com ato ecumênico seguido de ato político-cultural, previstos para começar às 10h. O evento será transmitido ao vivo por meio do portal da CUT na web.
Às 11h30, os presidentes da CUT, Vagner Freitas; da CTB, Adilson Araújo; e da Intersindical, Índio, concederão entrevista coletiva no Vale do Anhangabaú. A pauta da coletiva é ato unificado do Dia do Trabalhador e da Trabalhadora Contra o PL da Terceirização. Eles falarão sobre os próximos passo da luta contra o projeto de lei.
Quadro/Arte
Entidades do 1º de Maio de luta
CUT – Central Única dos Trabalhadores
CMP – Central dos Movimentos Populares
CTB – Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil
MST – Movimento dos Trabalhadores Sem Terra
MTST –Movimento dos Trabalhadores Sem Teto
CONAM – Confederação Nacional de Associações de Moradores
FETRAF – Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar
UNE – União Nacional Dos Estudantes
MMM – Marcha Mundial das Mulheres
CONEN – Coordenação Nacional de Entidades Negras
Consulta Popular
FDE – Fora do Eixo/Mídia Ninja
FLM – Frente de Luta por Moradia
FNDC – Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação
Intersindical CCP
Juventude Revolução
Levante Popular da Juventude
MAB – Movimento dos Atingidos Por Barragens
MPA – Movimento Pequenos Agricultores
Plataforma Operaria Camponesa da Energia
Plebiscito Constituinte
UBES – União Brasileira dos Estudantes Secundaristas
UBM – União Brasileira de Mulheres
UNEGRO – União de Negros pela Igualdade
UNMP – União Nacional por Moradia Popular
Centro de Estudos da Mídia Alternativa “Barão de Itararé”
Por Márcio de Morais, da Agência PT de Notícias
Enviado por Eri Santos Castro.
Compartilhe.

Nenhum comentário: