13 de mai de 2015

Com a preventiva do ex-diretor da Cadet a policia irá ao esquema de drogas, armas, fugas e mortes dentro do Complexo de Pedrinhas


aldir
Cláudio Barcelos, preso desde ontem (12), foi mais uma indicação desastrosa do grupo petista afinado com a oligarquia Sarney.

Com a prisão preventiva do bacharel em direito Cláudio Henrique Bezerra Barcelos, ex-diretor da Casa de Detenção do Complexo Penitenciário de Pedrinhas, monitor terceirizado e que era apontado como pessoa da mais absoluta confiança do então secretário Sebastião Uchôa. Ele facilitou a fuga de três perigosos assaltantes de bancos pela porta da frente da Casa de Detenção, que segundo comentários dentro da SEJAP, teria sido mediante o pagamento de 300 mil reais. Cláudio Barcelos é acusado de negociar saídas de presos, muitos dos quais chegavam a passar até duas semanas fora do presidio e até viajarem.
      Pesa também sobre ele, devido o forte prestigio junto ao secretário Sebastião Uchôa, manter os presos fora das celas para não causar muita desconfiança com as ausências  dos bandidos que pagavam por saídas. Existem suspeitas de que alguns praticavam crimes fora e em seguida retornavam ao cárcere, principalmente os que explodiam caixas eletrônicos.
     Para favorecer a criminalidade dentro do Complexo Penitenciário de Pedrinhas, a direção da SEJAP, utilizou duas estratégias. A primeira retirar das unidades prisionais todos os agentes e inspetores penitenciários, deixando apenas os que faziam parte do contexto das mazelas, para aumentar a contratação de monitores da VTI e seguranças armadas da Atlântica , através de contratos milionários e superfaturados. A outra estratégia era responsabilizar a direção do Sindicato dos Servidores Públicos do Sistema Penitenciário, o que foi feito pela ex-governadora Roseana Sarney e os secretários Sebastião Uchôa, Aluísio Mendes e Ricardo Murad, para desviar a atenção da sociedade para a corrupção deslavada dentro da SEJAP. Nenhum deles até hoje apresentou qualquer ônus de prova para as acusações feitas, enquanto o Sindspem  conseguiu substanciais provas de corrupção dentro do Sistema Penitenciário do Maranhão.
     Quando o coronel Ivaldo Barbosa assumiu a responsabilidade de garantir a segurança dentro das unidades prisionais do Complexo Penitenciário de Pedrinhas, quase que diariamente eram apreendidas armas brancas e revolveres dentro das celas. Elas eram entregues aos diretores de unidades. Um militar constatou que várias armas apreendidas voltavam para as celas, tendo ele marcado algumas delas para se certificar das suspeitas. Ao ser comunicado do fato, o coronel Ivaldo Barbosa mandou recolher ao quartel da PM todas as armas apreendidas. 
       Diante do rigor da PM, inesperadamente a então governadora Roseana Sarney mandou retirar o coronel Ivaldo Barbosa e o seu contingente de todas as unidades prisionais, atendendo a uma articulação do secretário Sebastião Uchôa, dos donos de empresas prestadoras de serviços terceirizados e dois parlamentares, conforme teria sido festejado o feito dentro do Cadeião do Diabo e na Casa de Detenção. A partir daí mortes, fugas, drogas e todo tipo de esculhambação passaram a dominar o Sistema Penitenciário, até o dia em que a governadora Roseana Sarney, pressionada politicamente e envergonhada de tanta chacota nacional expurgou Sebastião Uchôa  da SEJAP.
                    Cláudio Barcelos e Uchôa vão ser interrogados pela CPI do Sistema Penitenciário
     O DEIC quando prendeu Cláudio Barcelos, dentro da Casa de Detenção, informou que vinha monitorando o acusado há três meses, o que não correspondeu a verdade, pois se assim estivesse teriam prendido os três bandidos soltos por ele. A verdade é que foi a partir da divulgação feita pelo blog relatando os nomes de todas as pessoas presentes no plantão em que ocorreu a fuga e uma autorização por escrita dada por Cláudio Barcelos é que no mesmo dia o elemento foi preso.
     O Cláudio Barcelos e o secretário Sebastião Uchôa serão duas figuras importantes para serem interrogadas pela CPI do Sistema Penitenciário. A deputada Eliziane Gama , a Fenaspen e o Sindspem pediram a presença a presença da Comissão Parlamentar de Inquérito no Maranhão. Ressalte-se que o então todo poderoso Sebastião Uchôa, tentou barrar a entrada da parlamentar no Complexo de Pedrinhas, quando ela era deputada estadual e presidente da Comissão de Direitos Humanos e das Minorias da Assembleia Legislativa do Estado.
Por Aldir Dantas.
Enviado por Eri Santos Castro.
Compartilhe.

Nenhum comentário: