13 de mai de 2015

Babilônia em chamas: Brasil se tornará principal parceiro da maior economia crescente do mundo. Primeiro-ministro chinês visita Brasil acompanhado de 150 empresários



Menos de um ano após a visita ao Brasil do presidente da China, Xi Jinping, durante a qual foram assinados mais de 50 acordos, o país asiático envia seu primeiro-ministro, Li Keqiang, acompanhado de 150 empresários


Mais uma vez, o objetivo é aprofundar as relações de cooperação e comércio entre os dois países. O líder do governo chinês se encontrará na próxima terça-feira (19) com a presidenta Dilma Rousseff, enquanto o empresariado chinês se reunirá com representantes do setor privado brasileiro na Cúpula Empresarial Brasil-China, no Itamaraty.
A expectativa do governo brasileiro é que, durante a missão chinesa, seja solucionada a questão da liberação das exportações de carne bovina do Brasil para o país. Durante a visita de Xi Jinping, em julho do ano passado, foi anunciado o fim do embargo chinês à carne brasileira, em vigor desde 2012. No entanto, ainda falta a assinatura de um protocolo sanitário.
Está prevista, ainda, a assinatura de acordos nas áreas financeira, de infraestrutura e de energia entre os dois países. A cúpula dos empresários é organizada pelo Ministério das Relações Exteriores, Ministério do Comércio da China e Conselho Empresarial Brasil-China (CECB). De acordo com o conselho, entre os 150 empresários que chegarão ao Brasil, grande parte é vinculada a bancos e empresas de engenharia.
A programação da visita da delegação chinesa inclui jantar na noite de segunda-feira (18) em Brasília, com o empresariado brasileiro, no qual está prevista uma rodada de negócios. Na terça, ocorre a agenda da presidenta com o primeiro-ministro chinês e as conversas entre empresários brasileiros e chineses no Itamaraty, com previsão de anúncio de acordos.
Na quarta-feira (20), a missão da China segue para o Rio de Janeiro. Lá, está programada a inauguração de uma exposição de marcas chinesas e um passeio de barco pela Baía de Guanabara, que deve incluir o primeiro-ministro. 

Para a secretária executiva do conselho, Júlia Dias Leite, as duas visitas oficiais em um curto intervalo sinalizam a proximidade entre os países. “Demonstra a importância que o governo da China está dando ao Brasil e que é uma relação madura”, acredita.
A China vem desacelerando suas tradicionalmente altas taxas 
de crescimento. Em 2014, o Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos em um país) chinês cresceu 7,4%, o menor patamar em 24 anos. No primeiro trimestre de 2015, o PIB chinês cresceu 7%, o menor ritmo em seis anos.

O país também vem perdendo espaço nas exportações do Brasil. A participação no total exportado pelos brasileiros caiu de 19,32%, de janeiro a março de 2014, para 14,47% no mesmo período deste ano, em razão da queda dos preços das commodities (produtos primários com cotação internacional) e da desaceleração da economia chinesa. 

Mesmo assim, a China ocupou o posto de principal mercado consumidor dos produtos brasileiros no primeiro trimestre de 2015 e é considerada um parceiro comercial de importância estratégica.

Da Agência Brasil.
Enviado por Eri Santos Castro.
Compartilhe.

Nenhum comentário: