9 de out de 2014

A casa caiu: Em depoimento à CPI da Petrobrás, contadora de Youssef volta a citar Roseana Sarney

Em depoimento à CPI da Petrobrás, contadora de Youssef volta a citar Roseana Sarney Publicado em 08/10/2014 às 17:28 por Garrone Meire Poza enumera quatro empreendimentos que abasteceram empresa de Youssef; ela também citou contatos dele com ex-ministro Mário Negromonte, Roseana Sarney e assessor de Candido Vacarezza.

Meire Poza enumera quatro empreendimentos que abasteceram empresa de Youssef; ela também citou contatos dele com ex-ministro Mário Negromonte, Roseana Sarney e assessor de Candido Vacarezza.
A contadora Meire Pôza, que trabalhou para Alberto Youssef, afirmou que o doleiro se reuniu com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), para acertar investimentos do fundo Postalis, dos Correios, em uma empresa de Youssef. O encontro ocorreu em 12 de março deste ano, cinco dias antes da prisão do doleiro, conforme a contadora afirmou em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) mista da Petrobras nesta quarta-feira.
O montante envolvido é de R$ 25 milhões, referente à metade de uma debênture lançada no mercado para arrecadar dinheiro ao empreendimento de Youssef. Esses R$ 25 milhões seriam aportados pelo Postalis. Os outros R$ 25 milhões, pelo Funcef, da Caixa Econômica Federal.
— Eu estive com Youssef no café da manhã no dia 14. Ele afirmou ter vindo a Brasília dois dias antes e ter resolvido com o PT a aprovação da operação. Ele também disse ter conversado com Renan para acertar a ponta que era do PMDB e que até o fim do mês a operação com o Postalis iria sair. Não saiu porque Youssef foi preso — afirmou Meire.
O GLOBO revelou a história em 12 de setembro. Uma reportagem mostrou que a contadora, em depoimento à Polícia Federal (PF), afirmou ter havido uma reunião entre Youssef e Renan para tratar de investimentos de fundos de pensão. Segundo Meire, na reunião foi fechado um “acordo verbal” para que fundos de pensão investissem em ações de uma das empresas do doleiro.
No depoimento, Meire afirmou que parlamentares do PT e do PMDB fizeram as negociações pelos aportes dos fundos Postalis, dos Correios, e Funcef, da Caixa Econômica Federal (CEF), mediante uma suposta partilha de comissões com integrantes dos dois partidos. Pelo PT, as negociações teriam sido conduzidas pelo deputado federal André Vargas (sem partido-PR). A proximidade e negócios conjuntos do deputado com o doleiro já foram citados nas investigações da Lava-Jato.
Em nota, a assessoria do Senador Renan Calheiros afirma que “não conhece a pessoa mencionada no noticiário como ‘doleiro’ Alberto Youssef e que só soube da existência do mesmo após as informações publicadas pelos jornais’. Ainda segundo nota, Renan “nunca esteve, agendou conversas e nunca ouviu falar de Alberto Youssef e de sua contadora”.
O valor dos aportes dos fundos de pensão, ainda segundo o depoimento, seria de R$ 50 milhões. “Corretores” — intermediários que fariam o dinheiro chegar aos partidos —ficariam com 10%.
A contadora também citou no depoimento à CPI uma suposta participação da governadora do Maranhão, Roseana Sarney (PMDB), no recebimento de propina por conta do pagamento de precatórios do governo do estado à Constran. Meire afirmou ter se reunido, juntamente com Youssef, com o então secretário da Casa Civil do Maranhão, João Guilherme Abreu. O interesse da Constran era receber R$ 123 milhões em precatórios.
Segundo a contadora, ficou acertado o pagamento de propina de R$ 6 milhões, por conta de um acerto para parcelamento dos precatórios em 24 vezes. Uma das remessas foi levada por Adarico Negromonte, irmão do ex-ministro das Cidades Mário Negromonte. O valor foi de R$ 300 mil. A pessoa que recebeu o dinheiro teria reclamado da quantia e consultado a governadora Roseana se o montante deveria ser recebido.
— Adarico esteve no meu escritório depois da prisão do Alberto. Ele disse que foi ao Maranhão levar o dinheiro e que a pessoa afirmou que era pouco. Ela então teria entrado em contato com a governadora para saber se ela concordaria em receber os R$ 300 mil, e ela teria concordado — disse a contadora.
Do O Globo.
Enviado por Eri Santos Castro.
Compartilhe.

Nenhum comentário: