7 de jan de 2014

BABILÔNIA EM CHAMAS-GUERRA NA POLÍCIA DO MARANHÃO: PM E CIVIL, SEM COMANDO, TROCAM "TIROS"

As escutas telefônicas autorizadas pela Justiça monitoraram todos os passos da ação que incendiou quatro ônibus em São Luís, na última sexta-feira (3), resultando na morte de uma garota de cinco anos.


Ou seja: a Secretaria de Segurança sabia dos ataques e nada fez para evitá-los. Foi omissa. É o que dizem os promotores em nota da Associação do Ministério Público (Ampem).

O Serviço de Inteligência tinha conhecimento prévio dos ataques, mas em razão da falta de sintonia entre as polícias Militar e Civil não foi possível sequer montar uma operação para conter os incêndios.

Esse foi um dos principais assuntos tratados na reunião entre a governadora Roseana Sarney (PMDB) e a cúpula da Segurança Pública.

ALUISIO INTOCÁVEL

A reunião criticou também a falta de comando do secretário Aluisio Mendes, cuja permanência no cargo é insustentável.

Repudiado pelas duas corporações policiais, Militar e Civil, o secretário, homem de confiança do senador José Sarney (PMDB), segue intocável.

Porém, o ponto mais tenso da reunião foi o clima de hostilidade entre os aparelhos policiais.

PAVIO CURTO

O estopim da crise entre militares e civis já estava em curso, mas agravou-se com a prisão em flagrante do sargento PM Leite, efetuada pelo delegado Danilo Veras, da 16ª DP, na Vila Embratel.

Leite foi preso em uma situação inusitada, quando conduziu à delegacia dois adolescentes por suspeita de furto em um comércio do bairro.

O delegado, em vez de tomar providências sobre os adolescentes conduzidos, acabou prendendo o militar por porte ilegal de arma de fogo.

A prisão do sargento Leite revoltou a PM, que cogitou até enviar o Batalhão de Choque para resgatar o militar à força na delegacia da Vila Embratel.

FOGO CONTRA FOGO

O clima entre as duas corporações é de guerra. Policiais civis estão sendo parados nas barreiras montadas pela PM e submetidos a revistas criteriosas, obrigados a apresentar as armas de fogo com o respectivo registro.

Nem a governadora Roseana Sarney (PMDB) nem o secretário de Segurança Aluisio Mendes têm controle sobre as corporações.

O novo comandante da PM, coronel Zanoni Porto, já assumiu o cargo sob a condição de não ser obrigado a aceitar determinações do secretário de Segurança Aluisio Mendes.

POLÍCIA SUCATEADA

Sem estrutura para combater o crime, com deficiência de recursos humanos e armamentos, a delegada geral Cristina Menezes está perdida, pois não tem a quem comandar.

A Polícia Civil do Maranhão resume-se atualmente à SEIC (Superintendência Estadual de Investigações Criminais), que possui menos de 100 homens entre delegados, investigadores e escrivães, com circunscrição no estado inteiro.

O restante da Polícia Civil é formado por idosos, diabéticos, hipertensos e corruptos.

A Secretaria de Segurança tinha todas as informações para evitar os incêndios aos ônibus, mas a falta de cooperação entre as polícias Militar e civil colocou tudo a perder.

E quem mais perdeu foi a população de São Luis, especialmente a família da menina Ana Clara Santos Sousa, mais uma vítima da incompetência do governo Roseana Sarney.

Do Bogue do Ed Wilson, confira aqui!
Enviado por Eri Santos Castro.
Compartilhe.

Nenhum comentário: