27 de nov de 2014

Juiz da Ficha Limpa receberá título de cidadão imperatrizense

Marlon Reis: agora um grande maranhense que orgulha o Brasil
                Ainda em 2013, o nome do juiz de Direito Márlon Reis foi indicado para receber a maior honraria oferecida pela Câmara Municipal, mas o título não pôde ser entregue. A cerimônia de entrega acontece na próxima quinta-feira (27), às 19h, no auditório do Palácio do Comércio e Indústria de Imperatriz.
O projeto de indicação é de autoria do vereador Rildo Amaral (Solidariedade) e, por unanimidade, foi aprovada pelos 17 vereadores presentes na sessão ordinária, que consideram uma honra a oportunidade de conceder homenagem a Reis.
“É uma honra para essa casa aprovar o título de Márlon Reis, um dos grandes nomes pela moralização da política brasileira, que depois da aprovação da Ficha Limpa, agora luta pela reforma política de iniciativa popular”, garantiu o vereador Carlos Hermes (PCdoB) durante a votação.
Rildo destaca que o magistrado é reconhecido mundialmente pelos serviços prestados no combate à corrupção. “Márlon está entre as dez personalidades mais influentes do nosso país e poucas pessoas sabem, mas mora em Imperatriz. Esta é uma forma de homenagear e garantir que temos orgulho de tê-lo em nossa cidade”.
               
Trajetória – Natural de Pedro Afonso (TO), o magistrado residiu pela primeira vez em Imperatriz entre 1982 e 1983 e formou-se em direito pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA) em 1993. Em 1997 se tornou juiz de direito, e desde então, trabalhou e residiu em Passagem Franca, Riachão, Olho d'Água das Cunhãs, Alto Parnaíba e Itapecuru-Mirim. Em 2008 veio para a Comarca de João Lisboa, sendo autorizado pelo Tribunal de Justiça a residir em Imperatriz.
Em 2002, idealizou e fundou, juntamente com lideranças sociais, o Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE), que deu origem à Lei 9840, que combate a compra de votos e o uso da máquina administrativa durante o período eleitoral e a Lei da Ficha Limpa, que em seu primeiro ano em vigor, tirou mais de 900 candidatos com problemas judiciais da disputa eleitoral.

Atualmente, junto ao MCCE e entidades como a OAB, CNBB, UNE e mais de 100 organizações da sociedade civil, trabalha na mobilização para a conquista do seu maior objetivo: a mudança do sistema eleitoral brasileiro por meio de uma reforma política de iniciativa popular.

Um comentário:

Anônimo disse...

nao e mais ficha limpa. este juiz, responde prosesso na justiça