12 de mai de 2014

Flávio Dino constroi um Programa de Governo Participativo, veja na entrevista detalhes

Petistas colaboram com o Programa de Governo de Flávio. Na foto Jomar Fernandes, Terezinha Fernandes, Marlon Henrique, Eri Cstro, Aluísio Moreno, Luís Comerciário, Adrovam, Rogério Baiano, JR, Balbina, Eduardo e outros companheiros.

"Temos um Programa de Governo moderno e transformador. Com ele vamos fazer um governo limpo, honrado e para todos.”


Líder nas pesquisas há mais de dois anos, mantendo vantagem superior a 30 pontos em relação aos demais adversários, Flávio Dino construindo paralelamente um Programa de Governo a partir de debates com diversos segmentos da sociedade. Através do movimento Diálogos pelo Maranhão, o pré-candidato conta que teve a contribuição de mais de 30 mil maranhenses na elaboração do conjunto de Propostas apresentado em meados de abril.


Em entrevista ao Jornal Pequeno, Flávio Dino falou um pouco mais sobre as principais propostas que tem defendido. Dentre elas, o JP destaca a venda da Casa de Veraneio do Governo do Estado (estimada pelo pré-candidato em mais de R$ 20 milhões) para a construção de um hospital para tratamento de UTI Infantil.


Análise dos resultados das últimas pesquisas, detalhes de seu Programa de Governo e a união das oposições no Maranhão foram temas da conversa de Dino com o JP. Confira a entrevista na íntegra:




Pergunta - As pesquisas registram uma grande vantagem sua nas pesquisas. Você se considera pronto para governar ?


Sinto-me preparado e continuo me preparando. Tenho experiência em cargos nos 3 Poderes: Judiciário, Legislativo e Executivo. Li muito sobre a realidade maranhense. E o mais importante, tenho aprendido muito com a nossa população. Já reunimos mais de 30.000 pessoas em seminários em todo o Estado. Também atendi mais de 500 lideranças políticas de todas as regiões. Nosso projeto é coletivo e democrático. Por isso mesmo ele se qualifica cada vez mais. Continuaremos a ouvir a sociedade, antes e depois da eleição.


Nas duas últimas semanas, o senhor recebeu apoios estaduais importantes como o PSDB e o PPS, unificando os partidos de oposição. Qual sua avaliação do cenário político do Maranhão?

A avaliação de todo o grupo é que estamos conseguindo unificar o campo democrático no Maranhão, reunindo as lideranças políticas em torno da alternância de poder. É o que chamamos de Partido do Maranhão – que vem se fortalecendo, reunindo apoios e mostrando cada vez mais musculatura política e eleitoral. Eliziane Gama e Carlos Brandão, presidentes estaduais do PPS e PSDB respectivamente, oficializaram recentemente essa aliança, que gira em torno de um projeto consistente para o nosso estado. Acabar com as desigualdades e implantar em nosso estado de uma vez por todas um modelo político republicano é o objetivo dessas alianças. Precisamos unir todas as forças democráticas para derrotar a última oligarquia do país.


Pergunta -  O senhor apresentou recentemente o seu Programa de Governo. Nele, quais as suas principais ideias para a educação?


Sou professor há 20 anos, conheço sala de aula. Sei o que é corrigir prova, preparar aulas e aprender coisas novas todos os dias a partir das experiências dos alunos. No momento, estou ensinando Direito Ambiental na Universidade Federal do Maranhão. Creio que o principal investimento para elevar a qualidade do ensino está na formação continuada e na motivação dos educadores. Gente cuidando bem de gente, esse é o principal caminho.  Vamos também humanizar as estruturas físicas das escolas e garantir que o transporte escolar dos alunos da rede estadual aconteça em condições dignas. Essa morte de nove crianças e jovens no município de Bacuri, por falta de um serviço público decente, me deixou indignado.  Tragédias assim acontecem pela absurda omissão do Governo do Estado.


Pergunta – E para as universidades, quais seus projetos?


As universidades são fundamentais para desenvolver o Maranhão, com mais vagas, formação de mais profissionais e geração de ciência e tecnologia. Vou criar o Conselho Universitário do Maranhão para que todas as instituições públicas e privadas trabalhem articuladas. A Universidade Estadual do Maranhão terá sua autonomia financeira respeitada e vamos criar Universidades estaduais regionalizadas, atendendo todo o território maranhense.


Pergunta – O que você vai fazer com os hospitais estaduais?


Vamos abrir os que estão fechados, que infelizmente são muitos. Concluir obras, com destaque para as financiadas pelo Governo Federal via BNDES. E acabar com a corrupção generalizada no setor. O que estiver funcionando de verdade, vamos manter. As UPAs, por exemplo, são um ótimo programa do Governo Federal.


Pergunta – O que é o Programa Mais Médicos Maranhão que você está defendendo?


Nosso projeto é investir na formação de mais profissionais no Maranhão e pagar melhor os brasileiros que já trabalham aqui, organizando as carreiras dos profissionais da saúde. A finalidade é combater o déficit de profissionais no Estado, já que o Maranhão possui somente 0,7 médicos para cada 1.000 habitantes (a pior relação do país). O Programa vai complementar o Mais Médicos do Governo Federal, com várias iniciativas: parceria com a Universidade Federal do Maranhão para que implante integralmente, com a qualidade e velocidade necessárias, os Cursos de Medicina de Imperatriz e Pinheiro; criar mais um curso de Medicina na Universidade Estadual do Maranhão, em região não atendida pelos cursos existentes; implantar progressivamente carreira de Estado para os médicos, similar a dos juízes, garantindo presença de profissionais em todas as regiões, estabilidade, remuneração adequada e promoções por mérito.


Pergunta – O senhor tem defendido a venda da Casa de Festas do Governo do Estado na Praia de São Marcos. Por que?

Temos que pôr fim a luxos, ostentações e privilégios.  Em um estado que precisa de investimentos profundos em desenvolvimento social, para que manter essa casa que serve apenas para banquetes do poder?  A casa e o terreno valem mais de R$ 20 milhões. Vou vender e usar o dinheiro em um novo hospital para tratamento do câncer.  Essas festas pagas com dinheiro público são coisas de pessoas deslumbradas, que não tem noção de justiça e não respeitam as pessoas mais pobres. Recebi essa idéia do prefeito Sebastião Madeira e achei excelente. Vamos colocá-la em prática.


Pergunta – Falando em pessoas mais pobres, o que você pensa sobre o Bolsa-Família?

É um programa fundamental para o Maranhão.  Precisamos de políticas sociais para as pessoas mais vulneráveis. Todos os países civilizados fazem isso. Vou unificar o comando da área social em uma Secretaria e vou fazer tudo para que o Bolsa-Família chegue a todas as casas que precisam. E vamos agregar um programa novo, o Cartão Material Escolar. O governo de Brasília está fazendo. Queremos garantir que crianças e adolescentes que recebem Bolsa-Família tenham todas as condições para estudar e aprender.  Assim eles terão mais renda no futuro.  Além disso, o programa ajudará micro e pequenas empresas de todo o Estado, que terão mais vendas no segmento.


Pergunta - Se você pudesse sintetizar seu Programa de Governo em poucas frases, o que diria?

Minha vida é marcada pela luta por Justiça. Desde os 15 anos de idade tenho uma participação política consciente. Logo, ao cuidarmos de nosso Programa de Governo, tenho a JUSTIÇA no centro de tudo.  Para que a justiça chegue nos lares de todos, vamos tirar o Maranhão desse atraso político em que se encontra .  Chega de governos de poucos para poucos. Temos um Programa de Governo moderno e transformador. Com ele vamos fazer um governo limpo, honrado e para todos.
Com o Jornal Pequeno.
Enviado por Eri Santos Castro.
Compartilhe.

Nenhum comentário: